27.3.13

A Viagem Maravilhosa do Comboio

D. Pedro V adivinhava o futuro espantoso do novo meio de transporte.
- Os caminhos de ferro - dizia ele - não rendem muitas vezes directamente. Rendem indirectamente pelo aumento da riqueza pública. Em 24 de Agosto de 1856, resolveu o monarca levar mais longe a sua inspecção e ir mesmo de comboio até ao carregado. Dizia-se que a ponte de Sacavém não aguentaria com o peso; que todos dias dava de si... E outras coisas neste género... Aquela viagem seria assim uma espécie de ensaio geral da inauguração, já fixada para Outubro do mesmo ano.
Retirado do livro de Adolfo Simões Muller (A Viagem Maravilhosa do Comboio) na altura do 1º. Centenário do Caminho de Ferro em 1956. Ilustrações de Fernando Bento. Edição da CP.

De reparar a abertura de D. Pedro V para o investimento no comboio! Realmente sempre ouvi dizer que os transportes públicos ou a "coisa" publica não são para dar lucro embora, também, não sejam para dar prejuízos. Agora, como se faz actualmente neste país, que é acabar definitivamente com imensas linhas, é um disparate completo fruto das novas tendências económicas aprendidas nas universidades das teorias e não da vida real!

Sem comentários: