24.9.14

Recado a quem já se sentiu só

Ler em Revista Bula


1 comentário:

Maria Lopes da Silva disse...

Eu trilhei, com sangue, suor, lágrimas e silêncio, esses caminhos de ferro. A partir da DE 440/91, o caminho de ferro deu lugar ao "outsourcing" e ao cartão de crédito. Havia 400 milhões de deficit e nem um só diretor-geral. Olho para a ferrovia de hoje, e o que vejo? Os comissários políticos acabaram com o pouco que havia. E, se somarmos os cargos de chefia e os deficits do que dele sobrou, ficamos aterrorizados. Bati com a porta no fim de 2011. Não há caminho de ferro. O que há é serviços, uma infraestrutura de merda, honorários chorudos de advogados que andam a dirimir conflitos entre a roda e o carril. E cargos de chefia... São tantos os que são chefes deles próprios e só ! Eu cheguei ao fim da linha. A História da Ferrovia está nas mãos de estranhos que não sabem o que aquilo é. O Processo das sucatas do Godinho tem as mãos sujas do ferro dos maus caminhos. Eu quero esquecer o Caminho de ferro, por muito que goste dele. E gosto. Os proxenetas é que acabaram com ele. Eu fui ferroviária. Hoje, a ferrovia, só tem colaboradores.
Abraços