5.2.07

Compras, Vendas e Trocas


De quando em vez, os Caminhos de Ferro Vale da Fumaça tem necessidade de ir às compras, vendas ou mesmo trocas. A razão é simples – quando há muitos anos iniciei a minha colecção de comboios que “virou” numa companhia de caminhos de ferro à escala HO – 1:87 não fazia a mínima ideia daquilo que seria dar continuidade à mesma. Hoje em dia debato-me com um problema que é possuir uma grande quantidade de modelos de vários países e respectivas companhias e não ter estabilizado por coleccionar, por exemplo, só comboios americanos, franceses, italianos, etc. Agora que estou mais velho e que a tão falada nostalgia bate à porta, decidi dedicar-me somente aos Caminhos de Ferro Portugueses e Espanhóis, isto é, fico-me pela Península Ibérica e não tão somente como desejaria pela CP uma vez que estes modelos ainda são muito limitados em termos de produção como, ainda, quando aparecem no mercado são a preços proibitivos. Só como exemplo, uma locomotiva diesel da CP custa sensivelmente entre 500 a 600 euros, um vagão de mercadorias pode custar à volta de 50 a 60 euros e um de passageiros poderá mesmo cifrar-se nos 100 euros. Como se pode verificar formar uma composição não é mesmo nada acessível. Assim, com tempo, vou remodelando a “frota”, levando à troca ou mesmo à venda material rolante sobretudo das linhas americanas como se pode ver nas imagens, tentando reconverter outros das linhas europeias que eram similares aos nossos derivando essencialmente na pintura e siglas.
Não estou a desfazer-me de bens mas sim a tentar rentabilizar e uniformizar os Caminhos de Ferro Vale da Fumaça.

8 comentários:

Viriato disse...

É uma boa ideia!

Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

Olá!!!

Te encontrei no Idolátrica e adorei ver teu espaço. Sempre gostei dos treinzinhos, reais ou em miniaturas, mas passei a ficar mais atenta a eles, como o Vasco Oswaldo Santos, do ESCRIBA, que adora trens/comboios e coleciona os coleciona, também. Já repassei para ele, teu endereço.

Parabéns pelo bom gosto e escolha da coleção.

1 beijo,
Cris

ESCRIBA disse...

Caríssimo Amigo!
Estou profundamente impressionado com o seu blog. Sou um grande entusiasta de Caminhos de Ferro, vivo no Canadá, e tenho alguns bons exemplares. O Livro do Adolfo Simões Muller e do fernando Bento, foi impresso pelo meu Pai, então chefe do departamento de Artes Gráficas do Diário de Notícias, em 1956. Tenho dois exemplares, um deles com uma dedicatória do A.S. Muller ao trabalho gráfico do meu pai...
Vamos trocar ideias?
VOS

Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

Caríssimo Amigo!
Estou profundamente impressionado com o seu blog. Sou um grande entusiasta de Caminhos de Ferro, vivo no Canadá, e tenho alguns bons exemplares. O Livro do Adolfo Simões Muller e do Fernando Bento, foi impresso pelo meu Pai, então chefe do departamento de Artes Gráficas do Diário de Notícias, em 1956. Tenho dois exemplares, um deles com uma dedicatória do A.S. Muller ao trabalho gráfico do meu pai...
Vamos trocar ideias?
VOS

Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

Eu escrevendo com óculos, já é um jogo difícil... Sem ele, é um desastre!!!
Por favor desconsidere meus muitos erros de digitação e desatenção...

E... Que bom que o Vasco (ESCRIBA)gostou do que encontrou aqui!!!

Um bom carnaval e um lindo final de semana!!!

1 beijo,
Cris

Anónimo disse...

caro entusiasta, mais uma: já lhe falaram no comboio Larmanjat? procure no Google e ria-se c/ as aventuras daquela época. Fernando Fernandes

Anónimo disse...

s/ o record de velocidade devo acrescentar que o record já tinha sido vencido anterior/ mas por uma composição diferente, deslizando por levitação.

Anónimo disse...

"em velocidade do tgv" no Google poderá saber cmo desliza o cº por levitação e o record atingido