11.11.06

Brinquedos Para Crianças Grandes

Retirado das Selecções do Reader’s Digest de Abril de 1954

Há dois anos na parte oriental de Berlim, os comunistas estavam organizando ruidosamente uma vasta concentração juvenil, com dias inteiros de discursos, exortações e propaganda. Enquanto isso, o Perfeito Ernst Reuter, do sector ocidental de Berlim, preparava-se tranquilamente para atrair os jovens vermelhos, com o intuito de lhes proporcionar uma rápida visão pessoal da democracia. Reuter conferenciou com auxiliares do Alto Comissário Americano e com a colaboração deles começou a reunir amostras do artesanato e do engenho ocidental.
O maior sucesso da exposição veio a ser um fascinante conjunto de trens eléctricos de brinquedo, enviados do outro lado do Atlântico por via aérea. Haviam sido despachados antecipadamente pela mala diplomática mais de cem metros de trilhos, com instruções precisas para a montagem. Instalados num cenário realista, com campos e árvores em miniatura, os trens eram manobrados como uma estrada de ferro autentica. Apitando e lançando fumaça das chaminés, partiam, paravam, engatavam, descarregavam leite, carregavam madeira e carvão.
A notícia dos trens de brinquedo se espalhou na zona oriental de Berlim e os adolescentes vermelhos começaram a infiltrar-se pela fronteira. Em poucos dias apareceram, uniformizados, 20.000 membros de organizações da Juventude Vermelha. Quando terminou a concentração comunista, 500.000 pessoas tinham visto os trens, segundo o Departamento de Estado dos Estados Unidos.
Esses trens eram um presente de Joshua Lionel Cowen, um homenzinho baixo e decidido, que há 53 anos se tornou no pai dos trens de brinquedo e que hoje, aos 73 anos de idade, é o maior fabricante de trens de brinquedo do mundo. As vendas da Lionel Co. atingiram o ano passado (1953) 21 milhões de dólares. Lionel produz dois terços dos trenzinhos eléctricos dos Estados Unidos e exporta para 62 países. Ao todo, já foram instalados cerca de 40.000 Kms de trilhos nas salas de estar, porões e sótãos em seis continentes. O material das estradas de ferro americanas compreende 43.000 locomotivas e 1.800.000 vagões de carga e de passageiros. Mas o ano passado (1953) só a Lionel vendeu 622.209 locomotivas e 2.460.764 vagões.
Roco, Locomotiva DB215 diesel da Roco colocada num diorama à espera de entrar em linha.