2.2.11

Calhandra - O último adeus!

Mais uma linha (ramal) fechado que já datava de 1880! Podemos ver a notícia no Jornal Público. Mas será que todo o serviço público é para dar lucros? Que eu saiba, todo o serviço público, transportes, saúde, educação. etc. não devem dar prejuízos. Relativamente a lucros seria melhor se existissem mas caso contrário a solução não será prejudicar a população mas sim terem a consciência da qualidade e honestidade dos gestores que colocam nesses serviços. Gerir desta forma é fácil pois "com a faca e o queijo na mão" qualquer um sabe legislar mesmo pisando aqueles que trabalham para os seus ordenados chorudos. Penso que, caso houvesse inteligência, bastaria olhar para o que fazem outros países pela salvaguarda do seu património e sobretudo das pessoas que não têm culpa alguma dos desgovernos de quem elegem. No entanto vamos continuando a assistir ao apagar de costumes e história deste país. 

2 comentários:

João Silva disse...

Sr Jorge , os fechos das linhas ferroviárias já é comum no nosso País.
Não dando lucro , fecha-se , não vão verificar os porquês !!! Horários incompativeis ,fraco material ????
Deviam informar-se primeiro e depois tiravam as conclusões , mas não acabou e pronto .
As vias estreitas só vai ficar a do Vouguinha , porque há muito alunos nas escolas que são servidos pelo comboio , de contrário era mais uma para fechar.
Num domingo passado fomos caminhar pela linha do Tua , até ao tunel das Presas e viaduto, porque o tempo era escasso , e só esse bocadinho era uma maravilha de paisagem .Tenho pena de não ter feito essa linha de comboio.
Ainda me lembro de um repto lançado por si , no ano passado para caminharmos pela linha para a fotografar .
Já vamos tarde ....
Continuamos a ser massacrados e a nada .Somos um povo " calmo e sereno " !!!!!

Fernando Antolin disse...

Penso que o ramal se mantém aberto mas apenas para o tráfego internacional,o Lusitania Expresso.
Claro que é uma pena esta estúpida política da CP/Refer ou o raio que os parta,ao contrário de outros lados, onde se apostou na via estreita até como oferta turística.
Recordo com saudade uma viagem que fiz no dia de natal de 1977, na linha do Dão,de Viseu para Santarém,para ir almoçar com a família,o meu Pai fazia anos nesse dia. Uma automotora com um único veículo,para tracção e transporte dos passageiros(uma camioneta de carreira,antiga,sobre carris,era o que parecia !!) e uma paisagem de sonho,com neve e geada a "bordarem" o caminho. Agora...uma porcaria de estrada igual a tantas outras.
Abraço