27.8.09

Estação de Urrós





Esta pequenina estação (Estação de Urrós) encontra-se a 30 kms de Miranda do Douro e de todas as que tenho visto é aquela mais difícil de podermos encontrar pois já se encontra praticamente totalmente tapada pelas silvas. Pertencia ainda à Companhia dos Caminhos de Ferro do Estado. Como se pode ver é mais uma a fazer parte do rol dos abandonos. De reparar que, como é costume, também aqui as linhas foram levantadas (reparar na quarta imagem). Ainda gostava de saber a razão do levantamento das vias! Será que também daria muito nas vistas derrubar o edifício? Só lamento que não haja ninguém que levante estes problemas a quem de direito. Será que os autarcas destes locais não conhecem as suas terras? Ou será que, como está em moda, estarão a pensar num centro comercial que substitua as estações? Já não estou a falar num "plano urbanístico"! De qualquer modo vale a pena fazer este passeio uma vez que a estrada é excelente desde Freixo de Espada à Cinta até Miranda do Douro e as paisagens são todas deslumbrantes. Antes desta estação ainda se pode ver a Estação de Mogadouro, sensivelmente uns 8 kms antes, que irei mostrar mais adiante.
Deixo aqui mais um alerta e mais umas imagens que são fruto das minhas saídas de estrada para ir ao encontro do nosso património esquecido.

5 comentários:

João Carvalho disse...

Creio que é Urros e não Urrós, Jorge. Será que viste uma marca que te pareceu um acento ou será equívoco meu? É que há um lugar chamado Urros lá para aquelas bandas.

Maria da Luz disse...

Esta estação é mesmo de Urrós ( a minha aldeia), embora eu viva no Porto.

luis disse...

Excelentes fotos sr jorge !!!

Abraço,

Luis

Antero Neto disse...

Belas imagens. Sou autarca de Mogadouro (que deveria ter aparecido como referência, ao invés de Miranda do Douro) e conheço bem o património da minha terra (como pode constatar em http://mogadourense.blogspot.com). Infelizmente a legítima proprietária destes belos e arruinados edifícios tem-se mantido cega, surda e muda em relação aos esforços da CMM para a recuperação deste património que é de todos nós (portugueses). Recusa-se a ceder a propriedade e quando se fala noutras formas de parceria, atira com números irreais e incomportáveis (como quem não quer efectivamente negociar). É pena, mas não podemos (infelizmente) fazer grande coisa perante a casmurice de tão ignara gente...

António Cruz disse...

Poi e amigo Antero Neto convite o artista espelho de Lisboa,talvez o local Mogadouro se torne diferente.A pedra ainda nao val o que o ferro, Godinhos da pedra imagine a Estaçao ja nao estava ai, lisboa lisboa lisboa ai sim esta tudo sem mais ate breve.